Se seu filho é um pouco curioso ou, talvez, desajeitado, acidentes vão acontecer. As melhores descobertas acontecem da exploração, e nós sabemos disso. A boa notícia é que a maioria dos acidentes resulta em ferimentos leves que podem ser tratados com alguma pomadinha, um pouco de descanso e muitos abraços e beijos. Mas a realidade é que cada queda tem o potencial de ser “a grande” – uma lesão que o faz correr em direção ao hospital mais próximo.

Mas é uma linha tênue. Que tipos de lesões realmente aumentam causam preocupação? Quando uma viagem para atendimento de urgência é necessária? E quando você pode precisar procurar atendimento de emergência altamente especializado em um centro de trauma pediátrico?

Você sabe quais são as lesões e acidentes infantis mais comuns da infância?

1. Quedas: a causa mais comum de lesões em crianças de todas as idades
As quedas são a principal causa de lesões entre as crianças.

Quando e onde as quedas são mais prováveis de acontecer?
Playgrounds, especialmente escorregadores e gangorras, são algumas das causas mais comuns de lesões. Outros riscos de queda comuns incluem:
• Escadas
• Camas sem grades
• Janelas
• Andadores
• Banheiras escorregadias
• Rua – sim, rua!

Embora as quedas sejam as lesões mais comuns em crianças de todas as idades, bebês e crianças pequenas são especialmente propensas a quedas. Os pequenos humanos simplesmente não têm o mesmo controle de movimento e equilíbrio que crianças mais velhas e adultos. Obviamente, existem inúmeras práticas recomendadas de prevenção de quedas em crianças que podem ajudar a reduzir as chances de uma lesão grave. Mas as quedas ainda podem acontecer em um piscar de olhos.

Caso o seu filho apresente algum desses sintomas, é necessário buscar atendimento médico:
• Dificuldade ao respirar
• Possíveis ossos quebrados – especialmente se a fratura potencial estiver localizada em áreas como cabeça, rosto, pescoço, costas ou pélvis, ou se um osso perfurar a pele – rupturas de ligamento ou lesão da medula espinhal
• Novo ou agravamento de sangramento ou inchaço, dor de cabeça, náuseas ou vômitos
• Perda de consciência ou perda de memória em torno do acidente

2. Ser atingido por ou contra um objeto: impactos acidentais
A maioria das crianças é abordada regularmente – especialmente se praticam esportes (ou têm irmãos mais velhos). Normalmente, esses desentendimentos são pequenos acidentes causados por jogar um pouco demais ou se distrair.

Quando e onde as crianças têm maior probabilidade de serem atingidas por ou contra um objeto?
Esses tipos de lesões podem acontecer a qualquer hora e em qualquer lugar. Alguns exemplos de acidentes:
• Entrar entre paredes, portas ou peças de mobiliário
• Ser atingido por um objeto como uma bola de beisebol ou uma caixa de armazenamento em queda
• Ser atingido e machucado por outro jogador durante um jogo de futebol, handebol ou outro esporte
• Ficar preso sob um móvel ou eletrodoméstico que tombou

Que tipo de ferimento “atingido por ou contra” pode precisar de cuidados para traumas?
Lesões na cabeça, pescoço, costas ou coluna vertebral e ossos quebrados costumam ser as principais prioridades de trauma para esses tipos de acidentes. Além disso, se seu filho se machucar depois de ser preso sob ou contra algo, os ferimentos internos podem ser uma preocupação.

Caso o seu filho apresente algum desses sintomas, é necessário buscar atendimento médico:
• Dificuldade ao respirar
• Possíveis ossos quebrados – especialmente se a fratura potencial estiver localizada em áreas como cabeça, rosto, pescoço, costas ou pélvis, ou se um osso perfurar a pele – rupturas de ligamento ou lesão da medula espinhal
• Novo ou agravamento de sangramento ou inchaço, dor de cabeça, náuseas ou vômitos
• Perda de consciência ou perda de memória em torno do acidente

3. Acidentes com veículos motorizados: a lesão mais comum para motoristas e passageiros adolescentes
Todos os anos ocorrem milhões de acidentes com veículos motorizados. Depois das quedas, esses acidentes são as causas mais comuns de lesões não fatais entre adolescentes.

Quando e onde os acidentes com veículos motorizados são mais prováveis de acontecer?
Quer seu filho esteja viajando no carro da família ou em um ônibus, os acidentes com veículos motorizados podem acontecer a qualquer momento. E adolescentes entre 16 e 19 anos estão em maior risco de acidentes com veículos motorizados do que qualquer outra faixa etária.
Por quê? Uma das razões é porque os adolescentes são motoristas menos experientes ou andam com motoristas menos experientes.

Quando o atendimento ao trauma pode ser necessário após um acidente com veículo motorizado?
Os acidentes com veículos motorizados podem causar uma série de lesões – algumas óbvias e outras sutis. E mesmo acidentes de baixa velocidade podem causar ferimentos nas crianças. Após qualquer acidente com veículo motorizado, a recomendação é para que realize um checkup. Algumas lesões podem ou não se manifestar imediatamente. Os cuidados urgentes podem ser uma boa escolha para pequenos inchaços, arranhões ou hematomas.

Caso o seu filho apresente algum desses sintomas, é necessário buscar atendimento médico:
• Dificuldade ao respirar
• Lesões visíveis ou possíveis na cabeça, pescoço ou costas
• Possíveis ossos quebrados – especialmente se a fratura potencial estiver localizada em áreas como cabeça, rosto, pescoço, costas ou pélvis, ou se um osso perfurar a pele – rupturas de ligamento ou lesão da medula espinhal
• Novo ou agravamento de sangramento ou inchaço, dor de cabeça, náuseas ou vômitos
• Perda de consciência ou perda de memória em torno do acidente

4. Cortes e feridas de punção: Lesões que são mais do que um pequeno arranhão
Quer estejam brincando com amigos ou ajudando você, muitas crianças se cortam ou se cutucam acidentalmente com algo afiado. A maioria das feridas arde e lateja, mas depois de limpas e remendadas, geralmente cicatrizam muito rapidamente. Cortes mais graves são relativamente comuns, especialmente em crianças entre 5 e 14 anos.

Quando esses cortes são mais prováveis de acontecer?
Normalmente, a maioria dos cortes ou piercings profundos ocorre após a ocorrência de outra lesão comum na criança – ou seja, uma queda feia ou ser atingido por algo. Mas outros acidentes domésticos envolvendo máquinas como ferramentas de jardim, utensílios de cozinha ou talheres também podem ser os culpados.

Quando o atendimento ao trauma pode ser necessário para cortes?
Se o seu filho tiver lacerações ou feridas perfuradas que ocorreram após uma queda, sendo atingido por um objeto ou pode envolver um osso quebrado, dirija-se ao centro de trauma mais próximo. Lesões múltiplas provavelmente exigirão cuidados de vários especialistas.

Se um corte ou punção for a lesão primária, obtenha atendimento de emergência para trauma pediátrico se a lesão de seu filho for:
• Sangrando muito ou o sangramento não diminuiu após 5 a 10 minutos de pressão direta
• Causando dormência ou incapacidade de mover os dedos das mãos, pés, braços, pernas, articulações ou outras partes do corpo
• Mais profundo ou maior que ½ polegada
• Localizado na cabeça ou rosto do seu filho, ou perto de um olho
• Causado por um objeto sujo ou enferrujado
• Embutido com sujeira, cascalho ou outros detritos
• Tem bordas irregulares ou separadas
• Causado por uma mordida animal ou humana
• Extremamente doloroso
• Mostrando sinais de infecção (por exemplo, aumento de calor, vermelhidão, inchaço ou drenagem ou odor desagradável)

5. Picadas e mordidas: feridas causadas por animais, insetos e humanos
A grande maioria das mordidas e picadas são leves – exigindo pouco ou nenhum tratamento médico.
Quando e onde são mais prováveis de acontecer mordidas e picadas?
Como qualquer lesão, mordidas e picadas podem acontecer a qualquer hora, em qualquer lugar. Entre as crianças, as mordidas de cachorro são algumas das lesões mais comuns que observamos.
Quando o atendimento pode ser necessário após uma mordida ou picada?

Após qualquer mordida ou picada, procure atendimento se:
• A ferida está sangrando muito ou o sangramento não diminuiu após 5 a 10 minutos de pressão direta
• A ferida está mostrando sinais de infecção (por exemplo, aumento de calor, vermelhidão, inchaço ou drenagem, ou mau cheiro)
• Seu filho está tendo dificuldade para respirar ou mostrando outros sinais de reação alérgica, como urticária, respiração ofegante ou dificuldade para engolir, pulso acelerado ou tontura
Especificamente para mordidas de animais, procure atendimento de emergência se:
• O animal que mordeu seu filho é selvagem
• A mordida é mais profunda ou maior que ½ polegada – especialmente se estiverem localizadas no rosto do seu filho e/ou perto do olho
• A picada é de uma cobra ou aranha venenosa ou outro animal peçonhento

6. Corpos estranhos: quando algo está onde não deveria estar
É seguro dizer que toda criança experimenta um “corpo estranho” em algum momento de sua infância. Seja uma farpa no dedo ou uma ervilha no nariz, crianças curiosas deixam as coisas presas onde não deveriam. Mas casos mais sérios acontecem, também.
Quando e onde é mais provável que ocorram lesões por corpo estranho?
Na maioria das vezes, a criança inalará ou ingerirá algo sozinha. Isso pode acontecer durante uma refeição ou durante a hora de brincar.

Quando o atendimento pode ser necessário para a remoção de um corpo estranho?
A maioria dos corpos estranhos pode passar pelo trato gastrointestinal sem problemas, mas às vezes eles se alojam na garganta, estômago ou tecidos moles. Asfixia e obstruções intestinais são as maiores preocupações e requerem cuidados médicos de emergência.

Se seu filho parece estar sufocando, tome medidas usando técnicas de primeiros socorros sufocando, como golpes nas costas ou a manobra de Heimlich para desalojar o objeto. Se você não sabe como ou seus esforços não estão funcionando, ligue para os Bombeiros (193).

Se seu filho engoliu algo e você não tem certeza se pode passar naturalmente, chame seu pediatra. Vá a pronto atendimento se notar algum dos seguintes sintomas de uma possível obstrução intestinal:
• Dor abdominal intensa, cólicas ou inchaço
• Vômito
• Inchaço
• Ruídos intestinais altos
• Constipação

7. Queimaduras: Lesões que não são causadas apenas por fogo
Se uma mão curiosa agarrou uma panela quente ou um corpinho se expôs demasiadamente ao sol, queimaduras leves são muito comuns em crianças.
Mas apenas um pequeno período – às vezes apenas alguns segundos – é necessário para piorar as lesões por queimadura.

Quando e onde as queimaduras são mais prováveis de acontecer?
As queimaduras térmicas – queimaduras causadas pelo contato com chamas ou metais quentes, líquidos ou vapor – são as mais comuns entre as crianças. Mas outros tipos de queimaduras incluem:
• Queimaduras químicas causadas por ácidos ou solventes de limpeza (por exemplo, alvejante, amônia, diluente)
• Queimaduras elétricas após entrar em contato com uma corrente elétrica
• Queimaduras de radiação (também conhecidas como queimaduras de sol)
• Queimaduras por fricção, como erupções na estrada ou queimaduras de carpete
• Queimaduras de frio, como ulceração

Quando o atendimento ao trauma pode ser necessário para queimaduras?
Se uma queimadura causar algum dano abaixo da epiderme – a camada externa da pele – pode ser necessário um certo grau de cuidados especiais. Bolhas indicam uma queimadura de segundo grau que está mais profunda, e quaisquer marcas de carbonização ou esbranquiçadas são um sinal das queimaduras de terceiro ou quartos graus mais graves.
Quanto mais grave ou disseminada for a queimadura, maior será o grau de cuidado especializado necessário.

Será necessário buscar atendimento médico quando:
• As queimaduras estão localizadas no rosto, orelhas, mãos, pés ou área genital, onde danos permanentes são um risco se não forem tratados adequadamente
• As queimaduras aparecem mais profundas do que o primeiro grau e / ou cobrem uma grande área do corpo (por exemplo, maior do que o tamanho da palma da mão)
• Existem sinais de infecção (por exemplo, aumento do calor, vermelhidão, inchaço ou drenagem, ou mau cheiro)
• Dor, irritação ou descoloração pioram

Não há como prever todos os acidentes, tampouco, na tentativa de que nada aconteça, proibir nossos filhos de experenciarem determinadas situações. Temos, sim, que cuidar para que eles possam ser assistidos de perto, mas que, caso aconteça, também tenham um bom atendimento.

Gostou do conteúdo? Compartilhe.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Muito Obrigado!
O link de acesso ao seu
e-Book já está no seu E-mail.